Quem Somos
A escola pioneira no Brasil a desenvolver a educação a distância como modalidade de estudo.
mais de
80 mil
alunos ativos
desde 1939
6 MILHÕES
de alunos matriculados
30% EAD
DO MERCADO NACIONAL
Sobre

O Instituto Monitor é a escola pioneira no Brasil a desenvolver a Educação a Distância (EAD) como modalidade de estudo. Tudo começou quando o imigrante húngaro Nicolás Goldberger aportando no Brasil, trouxe seu conhecimento técnico em eletrônica e resolveu instalar um pequeno negócio na região central de São Paulo em outubro de 1939. 

O prédio do então Instituto Rádio Técnico Monitor, localizado na Rua Timbiras, acabou tendo um papel fundamental para a região e que faz parte da marca do Monitor: transformação. Periodicamente, alunos do Instituto Monitor de todos os lugares chegavam ao prédio do Monitor para realizar provas, compartilhar conhecimentos e, também, procurar por peças para seus equipamentos. 

Esse movimento passou a ser tão intenso que acabou estimulando o estabelecimento de um comércio crescente de eletro-eletrônicos na região, fazendo da Santa Ifigênia um polo conhecido em todo o país. Com o passar dos anos, a ampliação do portfólio de cursos do Monitor levou o Grupo a ir muito além de cursos de eletrônica: toda uma gama de cursos técnicos, profissionalizantes, supletivos e especialização acabou levando o Monitor a buscar um novo lugar para sua sede, mais adequada a esse crescimento.

História

Com o passar dos anos, a ampliação do portfólio de cursos do Monitor levou o Grupo a ir muito além de cursos de eletrônica: toda uma gama de cursos técnicos, profissionalizantes, supletivos e especialização acabou levando o Monitor a buscar um novo lugar para sua sede, mais adequada a esse crescimento.

O lugar escolhido em 2008 foi o bairro do Brás, berço da cidade e da história de São Paulo, que vivia tempos não muito felizes. Acreditando no potencial da região e na sua localização estratégia, o Monitor acabou sendo o marco zero do ressurgimento da região. Engajado como sempre, o Monitor acabou apoiando e contribuindo com movimentos da comunidade que buscavam a reurbanização da região. 

Isso levou à construção de novos e modernos edifícios, construção de parques, reurbanização da região, o que melhorou em muito a qualidade de vida e segurança do bairro. Este ano, 2018, o Monitor deu mais um importante passo nessa direção: ao lançar a Faculdade Monitor, o Grupo não apenas lançou a primeira instituição de ensino superior do Brás, como foi além, criando incentivos específicos para quem mora ou trabalhar no bairro. Isso mostra o compromisso do Grupo em facilitar o acesso ao conhecimento e estudo, seja democratizando seu método de ensino, seja investindo para transformar seu entorno.

Instituto Monitor
Mémorias do Ensino a distância no Brasil

Nasce a primeira escola moderna de cursos por correspondência no mundo, a ICS – International Correspondence School, em Scranton – Estados Unidos. O foco principal dos cursos desta escola eram na área de mecânica e eletrônica. Seus alunos estudavam através de lições enviadas por carta, recebendo kits didáticos de auto aprendizagem que contribuíam nos conhecimentos dos testes teóricos.

1896

Em outubro, é fundado o Instituto Rádio Técnico Monitor. O primeiro curso oferecido é o radiotécnico e esta seria a primeira iniciativa bem sucedida de educação a distância no Brasil. Naquela época, o rádio era o que havia de mais moderno, assim como o equivalente do computador nos dias de hoje.


Em dezembro, a Marinha lança o curso por correspondência para oficiais. A Legislação Nacional (Art.7º do Decreto nº 5077)

1939

Nicolás Golderger, com o sócio Jacob Wargaftig, formalizam um contrato com a Fundação do Instituto Rádio Técnico Monitor, estabelecido na Rua Santo Amaro. Em julho de 1941, o Instituto Monitor é transferido para a Avenida Ipiranga. No final deste mesmo ano, a sociedade entre Nicolás e seu sócio Jacob é desfeita. Em 1942, o Instituto Monitor lança o curso de Eletrônica e é transferido para a Rua Aurora. Devido a alta demanda de alunos, o curso torna-se extremamente popular. Fornecedores de equipamentos eletrônicos passam a se instalar na atual região da Santa Efigênia em São Paulo, de forma a atender o Instituto, tornando o local um polo de referência nesta área.

1940

O Instituto Monitor lança a Revista Monitor de Rádio e Televisão e, em 1949, Nicolás adquire um terreno, na Rua dos Timbiras, no bairro de Santa Ifigênia, para a construção da sede própria em um edifício de 3 andares. E então em 1950, o Instituto Monitor se muda para o novo endereço. O grupo Monitor cresce composto pelas empresas Radiotécnica Aurora, Tipografia Aurora e Indústria Continental. O primeiro milhão de alunos foi registrado, sendo a divulgação dos cursos popularizadas através de jornais e revistas da época, sempre oferecendo o sucesso profissional como forma de engajamento. Vale lembrar que nenhuma escola usava o processo de marketing como forma de trazer alunos, sendo o Monitor pioneiro em divulgação.

1947

Instituto Monitor diversifica e apresenta novos cursos: Contabilidade, Corte e Costura, Química Industrial, Desenho Arquitetônico e Técnico. Em 1955, o curso de Rádio é atualizado para adaptação das novas tecnologias. Em 1956, a legislação do Estado de São Paulo (Lei nº 3.344) estabelece regras para o ensino profissional por correspondência. Iniciava-se neste momento a atenção do Estado para este tipo de modalidade.

1951

Nessa década, a Tipografia Aurora intensifica suas atividades como editora de livros técnicos. O Instituto Monitor cria um novo curso preparatório para os exames de Madureza e anuncia em revistas, em quadrinhos e fotonovelas, como Grande Hotel, buscando atingir o público jovem. Em 1964, o material de Rádio e TV do Instituto Monitor passam por atualização. O segundo milhão de alunos é mensurado.

1960

A Lei Federal nº 5692, Cap IV, prevê, para as suplências de nível fundamental e profissional, a utilização da TV colorida, e assim os materiais de Rádio e TV do Instituto Monitor recebem encartes em cores sobre os novos equipamentos de televisão. O terceiro milhão de alunos é auferido e a Revista Eletrônica Popular produzida e editada pelo Instituto torna-se referência para os fãs de eletrônica.


Neste período, um jovem rapaz chamado Marcos Cesar Pontes se interessa na leitura destas edições e sem imaginar, começa a definir sua trajetória de vida, que culminaria ao primeiro brasileiro no espaço.

1971

O Instituto Monitor Participa do VII Seminário da Associação Brasileira de Telê Educação (CE). No evento, a UNESCO apresenta um texto que reafirma a educação por correspondência como uma das formas de suprir demandas educacionais e enaltece a iniciativa do Instituto Rádio Técnico Monitor.

1976

Em 1983, o MEC lança o documento "Diretrizes e Bases para o Estabelecimento da Política de Informática no Setor de Educação, Cultura e Desporto" como forma de dar atenção aos cursos por correspondência. O economista e empresário Roberto Palhares, adquire a representação da ICS – International Correspondence School no Brasil, trazendo um competidor de peso na Educação a Distância. Na época, chamava-se apenas Escolas Internacionais e sua sede ficava na região de Osasco, em São Paulo.

1983

Em 1985, Roberto Palhares adquire o Instituto Radiotécnico Monitor e torna-se o novo proprietário, nomeando a escola à partir deste momento apenas como Instituto Monitor.


De representante da primeira escola de curso a distância a nível mundial, para dono da pioneira em EAD a nível nacional, a história da educação a distância estava sendo reescrita.

1985

Morre Nicolás Goldberger, aos 83 anos. Em 1993, o editorial da revista “Saber Eletrônica” do mês de Abril credita ao Instituto Monitor a responsabilidade pela formação do polo eletroeletrônico de Santa Ifigênia. A fusão das Escolas Internacionais ao Instituto Monitor torna as duas empresas uma só. A esta altura, 4 milhões de alunos já haviam estudado nas 2 escolas.

1992

Pela Deliberação Estadual, os cursos do Instituto são credenciados para atuar em nível Supletivo e Técnico. Nesse mesmo ano, é criada a ABED - Associação Brasileira de Educação a Distância. No ano seguinte, o MEC cria a Secretaria de Educação a Distância. Esta nova fase dá ênfase em educação a distância. De outro lado, o Instituto Monitor cria e realiza o I Seminário de Marketing Escolar no Brasil, evento anual que chegaria a sua 9º edição em 2003. As escolas passam a utilizar parte de seu capital para investimentos em Marketing, como forma de sobrevivência em um mercado que já se tornava altamente competitivo. A experiência de sucesso do Instituto Monitor era compartilhada e grandes grupos educacionais despontavam no mercado.

1995

Com o advento da internet, o Instituto Monitor passa a comercializar cursos pela rede mundial de computadores em uma iniciativa inovadora. A maioria das escolas passaria a copiar este método muitos anos depois, assim como grandes redes varejistas, nascendo assim o E-commerce no Brasil. Neste mesmo ano, O Instituto Monitor passa a realizar parcerias com empresas público/privadas, oferecendo o curso a distância como metodologia capaz de levar a educação rompendo barreiras territoriais e otimizando custos. Para cumprir esta tarefa, foi criada a divisão corporativa do Instituto Monitor, a Monitor Corporate. Neste período, o Instituto Monitor atinge a marca fabulosa de 5 milhões de alunos.

1997

O prédio da Rua dos Timbiras passa por reformas. O Instituto Monitor produz um sistema de banco de questões com metodologia própria para a produção de provas de conhecimento. O sistema inovador permite separar questões por grau de dificuldade, definindo um balanço equilibrado na aplicação de provas. Neste mesmo ano, Roberto Palhares é eleito diretor de educação a distância pela ABED, e no ano seguinte é reeleito.

2003

O Instituto Monitor lança o Anuário Brasileiro Estatístico de Educação Aberta e a Distância no Seminário da ABED. É a primeira iniciativa de parametrizar a importância da Educação a Distância no país, através de estatísticas nunca antes realizadas. Neste mesmo evento, recebe homenagens por seu pioneirismo e lança a metodologia própria para e-learning. Começam os planos de uma nova sede, atuando em todos os níveis de educação.

2005

O Instituto Monitor adquire edifício próprio, uma imponente torre de vidro de 13 andares na Avenida Rangel Pestana, junto ao parque D.Pedro. O edifício com quase 7 mil metros quadrados visa captar alunos para o ensino presencial e iniciar os preparativos de uma faculdade. Foram criadas as divisões de Monitor Intercâmbio, Monitor Informática, Monitor Concursos, além da diversificação dos cursos técnicos em todas áreas do conhecimento.

2007

O Instituto Monitor expandiu suas fronteiras com 2 unidades próprias no Rio de Janeiro e em Curitiba. Em São Paulo, além da matriz, são 10 polos espalhados pelo interior do Estado.

2010